Com 12 mil leitos, rede hoteleira dos três principais destinos de MS teve ocupação acima de 60%

Campo Grande (MS) – Boletim do primeiro trimestre deste ano elaborado pelo Observatório do Turismo de Mato Grosso do Sul revela que a taxa média de ocupação dos hotéis e pousadas dos três principais destinos turísticos de Mato Grosso do Sul ficou em 61,47%.

A Capital lidera o ranking do setor com 6.400 leitos, seguida por Bonito com 3.963 e em terceiro Corumbá com 1.904 leitos. Esses três municípios concentram 52,32% do total de meios de hospedagens e 56% dos leitos de todos os municípios sul-mato-grossenses inscritos no Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur).

O Observatório do Turismo de Mato Grosso do Sul é um serviço da Fundação de Turismo (Fundtur-MS), órgão vinculado à Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). Além do desempenho da hotelaria, o Boletim do Observatório traz outras importantes informações sobre o turismo no Estado, como origem dos turistas, principais destinos, fluxo de desembarque no aeroporto Internacional de Campo Grande, etc.

Presidente da ABIH-MS, Marcelo Mesquita.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira-MS (ABIH-MS), Marcelo Mesquita, a taxa de ocupação de 61% é razoável. “Ideal é ficar acima de 65%”, disse. Ele acredita que Bonito e Corumbá tenham apresentado desempenho superior a Campo Grande no período pesquisado, devido à característica do turismo nessas cidades. “Campo Grande atrai mais turismo de negócios, que não acontecem na alta temporada. Já em Bonito e Corumbá ocorre o contrário. Entre dezembro e fevereiro e também em julho esses destinos são mais procurados.”

Leitos & qualidade

A pesquisa levantou também o total de leitos e estabelecimentos hoteleiros nos 44 municípios inscritos no Cadastur. Juntos, esses municípios dispõem de 21.856 leitos em 237 meios de hospedagens, que podem ser hotéis, apart-hotéis, albergues, pensões, campings e outros tipos de alojamentos. Três Lagoas (1.660 leitos), Dourados (1.352) e Ponta Porã (1.014) são destaques após os três maiores citados acima.

Chama a atenção, também, a classificação dos hotéis do Estado com base em avaliações feitas pelos próprios hóspedes. O Boletim traz a pontuação de dois portais na Internet que oferecem serviços de reservas de hospedagem e depois estimulam seus clientes a dar notas aos hotéis. O Tripadvisor trabalha com pontuação de no máximo 5 estrelas e o Booking.com de até 10 estrelas. No Tripadvisor os hotéis de Mato Grosso do Sul obtiveram 3,44 estrelas, enquanto no Booking.com, 8,19 estrelas.

Marcelo Mesquita afirma que há um grande esforço das empresas em manter produtos atualizados, considerando que a quase totalidade dos hotéis no Estado são independentes, não pertencem a nenhuma rede, que tem um padrão de serviço estabelecido. Ademais, as empresas ainda sofrem o reflexo da crise nacional que inibiu consideravelmente o turismo, observa.

No ramo de turismo de negócios, Mesquita analisa que o Estado tem potencial para receber grandes eventos. No entanto, há gargalos que precisam ser superados, como o aumento no número de leitos, locais para realização de grandes eventos, infraestrutura urbana e logística de transporte. “Temos apenas dois hubs para cá, São Paulo e Brasília, com horários e frequência de vôos limitados”, diz.

Texto e fotos: João Prestes – Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro)